Mulheres catarinenses estudam mais e têm maior aumento salarial em percentual do que os homens, revela estudo.

A remuneração das mulheres vem crescendo mais que a dos homens, em percentual, nos últimos anos em Santa Catarina. Em 1998, mulheres com ensino superior ganhavam um salário médio de R$ 1.391,65, contra R$ 3.236,45 dos homens. Dez anos depois, o salário delas subiu 22%, atingindo R$ 1.701,02, enquanto o deles passou para R$ 2.623,37, queda de 19%. Para as mulheres que têm pelo menos o ensino médio completo, a renda também aumentou. Passou de R$ 528,23, em 1998, para R$ 709,87 em 2008, incremento de 34,3%. Já para os homens com ensino médio, a remuneração, mais uma vez, diminuiu no período analisado, de R$ 1.339,93 para R$ 1.210,17 – baixa de 10%.

As constatações são do estudo “Ainda existe discriminação salarial contra as mulheres no mercado de trabalho da região Sul do Brasil? – Evidências para os anos de 1998 e 2008”, produzido por Viviane da Silva Freisleben e Fernanda Mendes Bezerra. A pesquisa está disponível no site da Associação de Pesquisadores em Economia Catarinense (Apec). A base de dados utilizada é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, coletada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para os três estados da região Sul. Foram selecionadas, para o estudo, pessoas entre 15 e 65 anos que recebiam alguma tipo de remuneração por trabalho nos dois anos analisados.

Apesar da evolução nítida do sexo feminino no mercado de trabalho, a diferença salarial entre homens e mulheres ainda é alarmante. Em 2008, homens com ensino superior ganhavam R$ 922,35 a mais do que elas – cerca de 35%. O estudo conclui que essa grande variação não tem uma explicação plausível, o que se caracterizaria como discriminação salarial por gênero. A boa notícia é que, pelo que os números indicam, essa distância tende a ser cada vez mais curta, já que a diferença em 1998 era de R$ 1.844,80 – ou 132,5%.

MAIOR TEMPO DE ESTUDO JUSTIFICA AUMENTO SALARIAL

A expansão da escolaridade é um dos principais fatores que justificam o aumento salarial conquistado pelas mulheres catarinenses nos últimos anos. Enquanto o tempo médio de estudo dos homens passou de 6,13 anos, em 1998, para 8,53 em 2008 (alta de 39,1%), elas tiveram um crescimento ainda maior: 47,7%, passando de 6,22 para 9,19 no mesmo período analisado. O estudo revela ainda que os catarinenses, independentemente do sexo, são mais escolarizados em comparação a paranaenses e gaúchos (veja quadro ao lado).

SALÁRIO MÉDIO EM REAIS, POR ESCOLARIDADE E GÊNERO

1998

Escolaridade

Paraná

Santa Catarina

Rio Grande do Sul

Homens

Mulheres

Homens

Mulheres

Homens

Mulheres

Analfabetos

371,11

70,65

340,37

134,95

316,54

87,53

Fundamental

609,61

162,60

664,64

173,54

618,85

180,76

Médio

1365,34

505,99

1339,93

528,23

1367,81

572,17

Superior

3497,06

1412,83

3236,45

1391,65

3720,48

1639,73

2008

Escolaridade

Paraná

Santa Catarina

Rio Grande do Sul

Homens

Mulheres

Homens

Mulheres

Homens

Mulheres

Analfabetos

552,51

285,26

749,37

498,34

614,56

259,49

Fundamental

866,81

406,77

960,72

443,36

829,88

423,99

Médio

1244,78

677,43

1210,17

709,87

1230,90

727,40

Superior

2818,61

1665,62

2623,37

1701,02

3169,37

1834,51

Fonte: Elaboração própria dos autores a partir dos dados da PNAD.


ELAS QUEREM REALIZAÇÃO PROFISSIONAL

Duas constatações vêm à tona ao se analisar os dados da PNAD que mostram o aumento significativo das mulheres no mercado de trabalho. Primeiro: elas passaram a ter maior força pela necessidade de contribuir para o sustento da família. Em segundo lugar, também houve um aumento do desejo de realização profissional. Estudos da Fundação Carlos Chagas, de 2009, revelam que, em 1976, apenas 28,8% das mulheres trabalhavam. Em 2007, esse índice saltou para 52,4%. Para os homens, essas taxas se mantiveram em patamares semelhantes no mesmo período – entre 73% e 76%. Hoje as mulheres representam 43,6% da população economicamente ativa.

DOBRA O NÚMERO DE MULHERES CHEFES DE FAMÍLIA

O levantamento revela que, em dez anos, dobrou o número de mulheres chefes de família. Em 1998, apenas 11,21% delas eram as principais responsáveis pelo sustento da casa, índice que saltou para 22,99% em 2008. No mesmo período, a evolução dos homens neste aspecto foi bem mais tímida: passou de 58,89% para 62,89%. Um aspecto importante a ser considerado é que, estando ou não no mercado de trabalho, a grande maioria das mulheres realiza atividades domésticas, e mesmo que essas tarefas sejam indispensáveis para o bem-estar de todos os indivíduos, são desconsideradas nas estatísticas.

Matéria publicada em 16/05/2012

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s